Crítica | Mães de Verdade

O drama japonês não encara a maternidade como algo mais amplo do que a biologia e abusa de clichês na esperança de gotejar lágrimas da audiência.

As relações maternais são, possivelmente, as mais intrínsecas e resistentes do ser humano. Um elo que transcende idade, criação e, na maioria das vezes, até mesmo as mais árduas circunstâncias.

Partindo desse pressuposto nasce uma dúvida: o que é, de fato, ser mãe? Em Mães de Verdade, de Naomi Kawase, embarcamos em uma jornada que paraleliza passado e futuro na busca de uma resposta menos objetiva e mais abrangente para esse questionamento.

O filme conta duas histórias que se cruzam justamente na maternidade e, enquanto Sakoto e Kiyokazu Kurihara ansiosamente desejam um filho e optam por seguir o caminho da adoção, a jovem Hikari Katakura tem de lidar com os problemas advindos de se engravidar na adolescência e enfrenta o duro rompimento afetivo ao entregar seu filho para o casal. 

Sempre utilizando uma câmera que evoca a poesia entre as idas e vindas da montagem, uma vez que constrói todo seu impacto através dessa não linearidade, o filme deixa de ser um retrato sentimental e apela para uma extorsão de significado com imagens vaidosas que não incorporam a narrativa. Nelas, insistentemente se repete e se resume visualmente a parecer um grande comercial de câmeras de celular.

Kawase não tem muito controle sobre o seu produto e isso fica claro na sequência em que Hikari chega no Baby Baton, quando ela rompe o pouco aconchego que a protagonista tem em meio ao realismo para investir em um enxerto documental. A diretora subestima o espectador ao deliberadamente transitar entre gêneros apenas para explicar a sensibilidade dos atos e da vivência dessas mulheres naquele local. As conversas, antes naturais e provenientes de uma intimidade situacional, se tornam relatos que, mesmo que não tão polidos, rompem a delicada película da construção ficcional.

Embora a temática familiar que sempre confronta vivências lembre muito Assunto de Família (Hirokazu Koreeda, 2018), todo o segmento de Hikari e a maneira que ela lentamente vai afundando sob si mesma tem muito de Só Deus Sabe (Benny & Josh Safdie, 2014). Todavia, Mães de Verdade tanto não tem a mesma sensibilidade e precisão do diretor japonês ao se tratar desse trânsito entre perspectivas, quanto não consegue exprimir cinematograficamente a agonia de uma protagonista que foi completamente desamparada como fazem os irmãos nova iorquinos.

Mães de Verdade

Mães de Verdade
2 5 0 1
O casal Kiyokazu Kurihara e Satoko decide adotar um bebê. Seis anos depois, felizes no casamento, eles recebem uma ligação de uma mulher alegando ser a mãe biológica do filho adotado do casal. Agora, ela quer seu filho de volta e resolve chantagear a família pedindo muito dinheiro.
O casal Kiyokazu Kurihara e Satoko decide adotar um bebê. Seis anos depois, felizes no casamento, eles recebem uma ligação de uma mulher alegando ser a mãe biológica do filho adotado do casal. Agora, ela quer seu filho de volta e resolve chantagear a família pedindo muito dinheiro.
2,0 rating
2/5
NOTA FINAL
Bad

Da mesma forma, ela evoca no texto uma conexão com o ambiente que não acontece fora das imagens que situam as personagens ou que insistentemente tentam usar paisagens como sinônimo de profundidade. Já no trabalho da dupla estadunidense não há o abuso de planos abertos (isso se houver de fato algum no filme) e essa conexão se revela muito mais sofisticada através dos seres e não o contrário.

O filme tem muita noção que o seu tema, socialmente falando, pode alavancar um cunho sentimental e prefere se resumir ao criar a sobreposição de acontecimentos que possam extrair emoção à força do espectador na edição. Sem trazer para as personagens mais do que é necessário para contar sua história, Mães de Verdade não só falha em encarar a maternidade como algo mais amplo do que a biologia como também abusa de clichês na esperança de gotejar lágrimas da audiência.

Em suma, o filme é uma obra muito unilateral que, no total contrário das referências aqui citadas, pouco acontece fora de um roteiro que nem ao menos é tão sofisticado quanto acredita.

Mães de Verdade estreia nos cinemas brasileiros dia 13 de maio.

Total
0
Shares
Related Posts
Total
0
Share