Ninguém Tá Olhando 1

Crítica | Ninguém Tá Olhando – 1ª temporada

Eita

E as produções nacionais continuam ganhando espaço na Netflix. Dessa vez, é “Ninguém Tá Olhando“, série dirigida por Daniel Rezende, com Kéfera Buchmann, Victor Lamoglia, Projota e uma outra leva recheada de atores.

“Ninguém Tá Olhando” é uma série que por meio de um enredo descontraído, leve e engraçado busca trazer um encadeamento de reflexões sobre o fluxo rotineiro da vida. A trama gira em torno da história de Ulisses (ou Uli, como ele mesmo deseja ser chamado), interpretado por Victor Lamoglia. Gerado como um novo Angelus — nomeação dos anjos no entrecho —, ele chega carregando consigo um alforje de questionamentos acerca do sistema monótono que empolga os divinos guardiões como uma repartição pública.

Já no primeiro episódio, Uli é informado sobre as quatro importantíssimas regras que de maneira nenhuma deveriam ser quebradas, (caso contrário o Angelus audaz responsável pela infração estaria condenado a assistir ao filme “Cidade dos anjos“, com Nicolas Cage, por toda a eternidade). As mesmas são as seguintes:

1- Cumprir a Ordem do Dia.
2- Não aparecer para os humanos.
3- Não proteger humanos fora da Ordem do Dia.
4- Jamais entrar na sala do chefe.

Mesmo sabendo das limitações, sua intromissão e insurgência fala mais forte, o que acaba ocasionando uma grade de desencadeamentos irreverentes ao sistema exercido a milhões de anos. Um diálogo construído ainda no primeiro episódio exemplifica bem o argumento exposto acima. Certo momento, Uli questiona o fiscal do sistema Fred (Augusto Moreira) sobre a obrigação da utilização de gravatas, já que os mesmos não são visíveis aos humanos — a menos que não queiram. Em contrapartida, Fred e os demais Angelus que ali estão não encontram uma resposta plausível a apresentar.

Nesse ritmo, na superfície terrestre, nos é apresentado Miriam (Kéfera Buchmann) uma humana empática e filantrópica que assim como Uli não concorda muito com o complexo de regras pré-existentes; e é ela que solta uma das frases mais eletrizantes da trama.

“Tem gente que segue regra e tem gente que muda o mundo”.

O título da produção foi escolhido propositalmente a fim de gerar um pensamento questionador e não desconhecer a ideia de alguma figura absoluta. O tom humorístico encontra-se evidencialmente neste ponto de contradição diante à lógica irracional.

O roteiro se mostrou muito bem adaptado e soube aproveitar bastante os personagens secundários no quadro. As aventuras de Greta (Júlia Rabello) e Chun (Danilo de Moura) são bem cintiladas e não deixam a desejar. Ambos apresentaram uma procedência contínua e significante ao desenrolar da história.

No início, com a apresentação dos personagens e do enredo, a história tem um desenvolver um pouco mais breve. No entanto, com o andamento da mesma, a peripécia acaba se tornando intencionalmente mais espaçada, o que ocasiona um certo desinteresse do telespectador aos acontecimentos.

Um dos pontos diferenciais e surpreendentes da série é a linguagem. Distinta das produções pré-existentes na Netflix, o modo comunicativo apresentado é sem dúvidas muito prático e instantâneo. O que corrobou para o sucesso nesse quesito foi a seleção dos profissionais que se enquadraram perfeitamente nos papéis. Habituados com o humor diligente requerido pela internet, Júlia Rabello, Kéfera e Victor Lamoglia mostraram exatamente que sabem o que estão fazendo.

Em fragmentos, é verossímil a semelhança com “The Good Place” nas estruturações filosóficas, portanto “Ninguém Tá Olhando” se destaca em relação ao emprego de um tom mais irônico e cômico em relação à drogas, palavrões e o que mais bem entender.

Vale destacar a enorme jogada de easter-eegs de Daniel Rezende na série. Além do diretor deixar sua assinatura em cena através de suas outras produções de sucesso com “Bingo: o rei da manhãs” e “Turma de mônica: laços“, em certo momento até conseguimos captar uma referência ao canal de Lamoglia no Youtube.

No geral, a produção se torna interessante e perspicaz. Victor Lamoglia, Kéfera, Júlia Rabello, Projota, Augusto Madeira, Danilo de Moura souberam aplicar a dosagem certa de emoção nos episódios apresentados. Ainda, Leandro Ramos (Sandro) foi a implementação ideal e precisa na elaboração cômica da mesma.

O fim da primeira temporada nos deixou de boca aberta e nos instigou um desejo de 2ª temporada. O que nos resta é torcer para que a dona Netflix renove a série para mais uma temporada para descobrirmos o que virá depois do “EITA“.

Será mesmo que ninguém está olhando?

Ninguém Tá Olhando - 1ª temporada

7.5

Nota

7.5/10

Pros

  • Comunicação clara

Cons

  • Parte Lenta
Total
0
Shares
Previous Article
Capa Cabana do Leitor 1

Livro físico vs e-book: confira 7 vantagens e desvantagens

Next Article
20191128 free guy assumindo o controle

CCXP19 | Painel de "Free Guy - assumindo o controle"

Related Posts