Connect with us
Avatar

Published

on

Depois dos contínuos lançamentos do universo compartilhado das animações da DC, Superman: O Homem do Amanhã veio para, de certa forma, reiniciar o que estávamos habituados a ver. Aqui não terá mais a Liga da Justiça unida para lutar contra o mal, e sim teremos o Clark Kent se descobrindo como herói.

O enredo começa com pequenas cenas de um Clark criança, onde seus pais o escondiam para que ele não revelasse a ninguém sobre os seus poderes, até a atualidade onde o Clark já é um jovem adulto, que ganha a vida como um estagiário do Planeta Diário. Porém, as coisas começam a mudar quando o caçador de recompensas intergaláctico, Lobo, encontra o kryptoniano e decide levá-lo consigo, seja vivo ou morto.

Metrópoles está de cara nova. Com a repaginada no visual, que agora abraça um lado mais tecnológico, a cidade tem o semblante mais novo e futurístico. Menos a casa dos pais humanos de Clark e, claro, o Planeta Diário, que sempre será o lugar onde a impressora só funciona dando aqueles leves tapinhas. E sem isso, o famoso casal não poderia ter se conhecido de maneira melhor.

O cara do café e Lois Lane, a mulher com o furo de reportagem que prendeu o famoso Lex Luthor, estão atrás de reportagens que tenham relevância o suficiente para o jornal. Para a infelicidade de Clark, Lois está interessada em um outro alguém. No Superman, com seu traje ainda iniciante. As roupas do Homem de Aço vão desde óculos de natação e gorro preto ao famoso vermelho e azul com semblante de esperança que estamos acostumado. Porém, não se deixe enganar, o pulo entre os uniformes não foi tão rápido. Deu até para ter um salvamento da cidade com o Clark pelado.

O tema entranhado nas dúvidas internas do Clark e nas conversas com o Marciano é a xenofobia: O medo (ou receio) pelos alienígenas, no caso explicito, e pelo outro, o diferente, no implícito. A necessidade de aceitação dos humanos, já que os alienígenas, aos seus olhos, é o mal, aquele que quer trazer o terror e destruir a civilização. Crescendo com essa visão que os demais tem, Clark cresceu sendo recluso, atrapalhado e escondendo suas habilidades. Uma crítica interessante, porém, já é de praxe da DC de trazer temas mais pesados em suas animações, a fim de fazer o telespectador refletir, independente da sua idade.

A arte difere bastante da arte apresentada na última animação da DC (Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips), tendo traços mais marcados ao redor da estrutura dos personagens e traços mais finos em estruturas internas. Em conjunto, é possível notar que as sombras estão bem destacadas e o design das lutas mais fluído, pecando apenas no uso do 3D para objetos que, por vezes, não são necessários para tal, como nos carros. O recurso, usado para baratear os custos da animação, deixa leves impressões negativas neste caso.

Também é possível notar a diferença entre a dublagem original e a brasileira, já que entre personagens o contraste das vozes é discrepante. Infelizmente, na dublagem brasileira alguns personagens ganharão tons que não combinam com eles, podendo ser até incomodo ao telespectador.

Superman: O Homem do Amanhã, que conta com o roteiro de Tim Sheridan e direção de Chris Palmer, foi uma excelente ideia da DC para tirar as animações da mesmice que acabam sendo apresentadas em universos compartilhados. Sendo uma boa pedida para fãs e não conhecedores do mundo.

A animação se encontra disponível nas plataformas Looke,

Advertisement
Comments

Parceiros Editorias

Mais lidas