Microsoft exige remoção da marca do canal Xbox Mil Grau por live com falas racistas

YouTuber está sendo falando no mundo inteiro como caso de negligência da Microsoft Xbox.
FE761CBF 52D9 4849 88DE 05C766C5E293

O YouTuber brasileiro de jogos conhecido como Xbox Mil  Grau está sendo rechaçado pela comunidade gamer do Brasil e no mundo depois de ter proferido falas racistas em meio aos protestos anti-racismo motivados pela morte de George Floyd. 

No meio de uma live no período em que o mundo lamenta a morte de um cidadão negro por um policial branco, um dos participantes da live que o dono do canal Henrique Martins promovia, uma pessoa falou a frase.

“têm que voltar para a senzala. Nunca deveria ter deixado de ser escravo. Se é para ser isso daí a cultura dos caras”

Depois da enxurrada de críticas e uma denúncia ao chefão internacional da marca Phil Spencer, a Xbox do Brasil exigiu que Martins, removesse tudo relacionado a marca do seu canal do YouTube, Twitch e redes sociais. 

Não parando por ai, outras denúncias surgiram contra Henrique Martins, desta vez até mesmo com falas transfóbicas, e mais comentários racistas.

Aqui ele compara os fãs do console PlayStation e judeus como “sub-raça”.

“Racinha, Sub raça, que você vai humilhando ali, igual os nazistas fizeram com os judeus[…]não vejo como gente”

Em um dos trechos apresentados uma pessoa na live ameaça de dar “tapas na cara” no filho do Azaghal (um dos fundadores e donos do grupo Jovem Nerd) Alan Duboc que é transsexual, Mil Grau sorri neste momento. Sobre o ataque ao seu filho o empresário se manifestou no Twitter.

Um dos jornalistas mais respeitados da indústria dos games, Jason Schreier também comentou o caso e alega que a Xbox durante muito tempo apoiou o Streamer.

“Muitos jogadores brasileiros têm falado sobre esse canal de fãs do Xbox no YouTube com um histórico de comentários racistas e sexistas. O Xbox Brasil condenou o canal via Twitter na terça-feira, mas o Xbox trabalha com eles há anos, apesar de reclamações e clipes

Outro que comentou o caso foi o diretor de arte do estúdio da Sony Santa Mônica Raff Grassetti.

“O Xbox postou uma nota sobre eles esta semana, mas eles fazem isso há anos. A indústria brasileira é muito melhor que isso, é hora de acabar com isso”

Retrospecto

O Cabana do Leitor publicou um artigo sobre mulheres e jogos no caso Razer, o texto de autoria de Ana Carolina Barth questionava um suposto desleixo da marca com mulheres gamers. O YouTuber estão fez um vídeo com claro incentivo de ataque a jornalista que desativou suas redes sociais. 

Apoio contra o racismo e transfobia

Vários criadores de conteúdo e gamers estão exigindo que o Youtuber e a Twitch remova o canal XMG (agora sem o nome Xbox) das suas respectivas plataformas.

Como resposta ao racismo e a transfobia do streamer e influencer a Twicth apenas deu uma punição de 14 dias e o Youtube até agora não se pronunciou.

Total
0
Shares
Previous Article
Summer Game Fest 1024x576 1

Summer Game Fest, o novo canal de eventos digitais

Next Article
Future Game Show 2020

Future Games Show é adiado