Connect with us

Analises

Primeiras Impressões | Mrs. America “O conservadorismo em seu estado puro”

Se você acha que Mrs. America é uma produção girl power, você pensou errado. A maravilhosa minissérie mostra o conservadorismo em seu estado mais puro.

Nathally Marques

Published

on

O Cabana do Leitor teve acesso aos dois primeiros episódios da minissérie Mrs. America, que tem previsão de lançamento no Brasil para o dia 19 de Setembro no canal Fox Premium.

Quando fui convidada para fazer as primeiras impressões, não sabia muito bem do que se tratava, apenas de que era uma série originária do Hulu, com 10 indicações ao Emmy Awards. Pelas imagens e pelo contexto que eu tinha visto inicialmente, achava que se tratava de uma série bem girl power genérico enlatado sobre o movimento feminista americano. Eu não poderia estar mais errada.

A grande sacada ambiciosa da minissérie criada por Dahvi Waller, foi se basear e colocar em pauta um momento histórico real da década de 70 sobre a ratificação da Emenda dos Direitos Iguais (Equal Rights AmendmentERA), que garantiria para os cidadãos norte-americanos os direitos legais iguais independentemente do sexo. A vitória para que essa ratificação entrasse para a constituição estadunidense era dada como certa desde o início pelas feministas democratas. O que elas não esperavam era um movimento anti-feminista em contrapartida, liderado pela advogada, ativista conservadora e cristã Phyllis Schlafly (Cate Blanchett), gerando embates entre os dois grupos que foram responsáveis por mudar o cenário político-cultural dos Estados Unidos.

Cate Blanchett surpreende ao dar vida a personalidade verídica de Phyllis Schlafly, que vai totalmente contra a todo o seu posicionamento, já que a atriz australiana é conhecida pelo seu engajamento na luta pela igualdade de gêneros dentro da indústria cinematográfica hollywoodiana e por se juntar na denúncia com outras mulheres vítimas dos abusos do produtor Harvey Weinstein.

A ganhadora de dois Oscars mostra para o público como pode ser versátil ao se dedicar ao trabalho dessa figura política tão controversa em Mrs. America. Phyllis era uma mulher forte e bastante inteligente, seus argumentos eram persuasivos o suficiente para colocar em jogo toda a construção da luta feminista da época. Cate Blanchett não só entrega um trabalho extremamente convincente, como nos mostra as nuances só no olhar, de como sua personagem, mesmo não acreditando na igualdade de gêneros, acaba sendo confrontada pelo peso da sociedade machista na qual está inserida.

O elenco é recheado de incríveis atrizes, além de ter outras muitas mulheres envolvidas em sua produção por trás das câmeras. Devo destacar que senti falta da representação de mulheres pretas nesses dois primeiros episódios que assisti, porém acredito que seja proposital para evidenciar esse problema dentro da nossa sociedade. O lado conservador dessa batalha choca por mostrar claramente a desigualdade racial de forma tão naturalizada. Mulheres brancas estão à frente daquela luta, enquanto as mulheres pretas são as empregadas que cuidam da família.

E a crítica social não se fixa apenas desse lado, o movimento feminista apresentado é extremamente branco. Eu imagino que irão explorar esse ponto de vista nos próximos episódios, com a personagem Shirley Chisholm (Uzo Aduba), que é a primeira mulher negra eleita ao Congresso dos EUA.

Eu gostaria de ver a relação dela com o movimento (branco) feminista daquela época. A vontade que eu tenho é acompanhar mais da história dessas mulheres, sem questão de lados, apenas observar o desenrolar de suas motivações e descobrir o que vem pela frente no resto da minissérie.

Quando falamos em produções de época, principalmente esse tipo de projeto que é baseado em fatos reais, meu maior medo é que a direção de arte fique caricata demais, atrapalhando a experiência da audiência. Só que isso não ocorre neste caso. Ela é esteticamente muito agradável. A composição para a escolha da caracterização dos personagens, desde o figurino até cabelos e maquiagem é muito certeira. Além disso, por tratar de algumas figuras reais, a semelhança entre o elenco e suas respectivas inspirações foi muito bem trabalhada.

Percebe-se que o mundo na verdade não mudou muito de lá pra cá e que a briga entre as mulheres só serve para enfraquecer quem queremos mais ajudar: nós mesmas. De qualquer forma, a discussão que se abre é sempre válida, pois faz trabalhar o senso crítico entre o que é certo e o que não dá mais para ser aceito. Nos faz conhecer também diversos lados, tentando fazer com que o público enxergue um pouco fora da sua própria bolha. Mrs. America parece ser uma minissérie inspiradora e que veio pra dar aquele puxão de orelha no comodismo.

Mrs America” é uma produção da FX Productions e foi criada e escrita pela ganhadora do Prêmio Emmy, Dahvi Waller (“Mad Men”), que também cumpriu a função de produtora executiva juntamente com Stacey Sher (“Django Unchained”, “Erin Brockovich”), Coco Francini (“The Hateful Eight”), Cate Blanchett e a dupla Anna Boden e Ryan Fleck (“Captain Marvel”, “Billions”), que também foram diretores em quatro episódios.

Mrs. America terá seus dois primeiros episódios exibidos pelo Fox Premium, no sábado dia 19 de Setembro, a partir das 22h15.

Mrs. America

9.5

Nota

9.5/10

Pros

  • Atuações, principalmente de Cate Blanchett.
Advertisement
Comments

Parceiros Editorias

Mais lidas