Design sem nome

Resenha | Café da manhã dos campeões

“Um livro sobre dois homens brancos, um escritor mal sucedido e um louco”

Dentre os lançamentos de novembro da editora Intrínseca, a divertida comédia ácida de Kurt Vonnegut – autor de Matadouro Cinco – ganha seu espaço no coração dos leitores.

Resultado de imagem para café da manhã dos campeões"

Originalmente publicado em 1973, Café da manhã dos Campeões é atemporal devido à sua escolha de palavras e bom-humor. Foi publicado como uma comemoração de 50 anos de Vonnegut e era fiel às temáticas mais pesadas, contudo quis apostar em uma possível reinvenção, provando que é capaz de atingir diferentes públicos sem deixar seus fãs “raíz” na mão.

“Fui programado para me comportar de forma imatura aos 50 anos – insultando o hino americano, desenhando bandeiras nazistas, e um cu e um monte de coisas com uma caneta com ponta de feltro. Para dar uma ideia do grau de maturidade das ilustrações que eu fiz para este livro, eis o meu desenho de um cu: “

A trágica comédia conta com a história de dois homens que levavam suas vidas de maneiras muito diferentes, Kilgoure Trout e Dwayne Hoover. O primeiro é um escritor mal sucedido que já escreveu muitos histórias de ficção científica, mas que não são publicados no formato de livros e sim em revistas pornográficas que utilizam suas obras apenas para preencher buracos. O segundo é um homem rico, dono de uma agência automobilística e muito mais; o seu único problema é estar à beira da loucura, precisando de pouca coisa para levá-lo à total perda de sã consciência.

Acontece que Dwayne descobre um dos contos de Trout onde o autor fala que apenas uma pessoa possui o livre arbítrio e essa vive em meio à máquinas que foram programadas para cumprir determinadas funções. Isso o leva a pensar que só ele possui a consciência humana e assim se desencadeia sua insanidade. O livro é sobre o início, meio e fim desse encontro.

“Trout e Hoover eram cidadãos dos Estados Unidos da América, um país chamado simplesmente de Estados Unidos para abreviar. Este era o seu hino nacional, que era a mais pura baboseira, bem como tantas outras coisas que se esperava que eles levassem a sério”

O livro é recomendado para alienígenas desde o seu prefácio, como um manual, e por isso o autor dá ênfase à significados óbvios das palavras. Além dessa loucura, o livro tem diversos desenhos originais do Kurt, que vem para completar essas palavras.

Resultado de imagem para café da manha dos campeoes desenhos"

Temas como guerra, sexo, política e racismo viram críticas durante a narrativa. O autor traduz o estilo de vida americano e sua política racial de maneira que o leitor se sinta mal por escapar uma risada, mas que seja impossível não o fazer. O humor distorcido é, sem dúvidas, o destaque do best-seller, dotado de piadas muito inteligentes que Kurt traz em forma de protesto.

“– Será que a rena está ouvindo? – disse Harry

– Foda-se a rena! – Grace acrescentou em seguida – Não, a rena não está ouvindo.”

Rena era o código que eles usavam para se referir à sua empregada negra que, naquele momento, estava bem longe, na cozinha. Era o código que eles usavam para se referir aos negros em geral. Aquilo permitia que falassem sobre o problema dos negros na cidade, um problema bem grande, por sinal, sem ofender nenhum negro que por ventura os ouvisse.

– A rena está dormindo. Ou lendo a Revista dos Panteras Negras – disse Grace”

De uma simplicidade inigualável, o autor não trabalha com segredos nas entrelinhas, tudo é exposto de maneira nua e crua, o que facilita o seu reconhecimento por um público novo. O mesmo se intitula o Deus daquele universo, bem como narrador da história. Isso com certeza o aproxima dos leitores, que se divertem enquanto Vonnegut fala sobre o futuro do personagem com o próprio personagem.

Café da manhã dos Campeões é de uma leitura rápida e reflexiva, diferente de tudo o que já se viu. O livro é dividido em blocos que separam as histórias principais de sub-histórias que são contadas pelo caminho. Suas páginas são de folhas amareladas, apesar do corte branco. A capa é dura com a arte bem parecida com a do livro anterior.

Escrito durante a crise de um homem de meia idade, o livro não deixou nada a desejar. Indicação para quem entende sátiras e gosta de uma boa crítica.

Essa obra é de extrema inteligência. Um livro que literalmente brinca com a loucura.

Total
0
Shares
Previous Article
Locke Key 1

Locke & Key - Nova série de mistério da Netflix ganha trailer

Next Article
Harry Potter

Honre o legado de Dumbledore em Harry Potter: Wizards Unite

Related Posts