Capa Cabana do Leitor

Resenha | Descender – Vol. 1 Estrelas de Lata

Robôs podem sonhar? Com o que sonharia uma máquina? Que propósito daria sentido a sua existência?

Muitas obras de ficção-científica já deram conta de histórias sobre o apocalipse tecnológico, em que a humanidade perece nas mãos dos robôs. Descender, a princípio, parece ser mais uma visão sobre este assunto até o momento em que o leitor se depara com uma novidade, que também é uma pergunta: robôs sonham?

Descender G

Descender é uma HQ escrita por Jeff Lemire e desenhada por Dustin Nguyen, dois ganhadores do Prêmio Eisner 2019 em, respectivamente, Melhor Roteirista e Melhor Desenhista. Ela foi anunciada na Comic Com San Diego de 2014 e lançada em março de 2015 pela Image Comics. No Brasil, a novela gráfica ganhou cores em novembro pela editora Intrínseca, que vem investindo neste seguimento com Black Hammer, Oblivion Song e Deuses Americanos, para citar alguns exemplos.

A história já começa com a chegada de robores imensos que possuem uma diretriz bem clara: eliminar os humanos. Eles os identificam como inimigos e começam o massacre, o que posteriormente produz um sentimento antirrobô nos humanos. Paralelamente a isso, um robozinho – na forma de um garoto – projetado para ser o companheiro de crianças, acorda e começa a baixar suas memórias. Outras criaturas ao redor da galáxia são alertados sobre sua existência e descobrem que sua matriz robótica carrega a mesma assinatura dos robozões que destruíram a raça humana. Aí se inicia a missão. 

Descender 3

O que sobrou da CGU, uma confederação das noves cidades-embaixadas (que na verdade são planetas), leva o criador do robozinho ao seu encontro na tentativa de descobrir como a matriz de um androide criado para satisfazer a raça humana foi a responsável por sua aniquilação. Entretanto eles enfrentam algumas adversidades porque não foram os únicos sobreviventes a descobrir a existência dele. O robozinho com o nome Tim-21 acaba se tornando, além de raro, muito valioso.

Enquanto isso, o universo assiste a um confronto entre humanos e robôs. 

Descender

Um dado sobre a obra é que toda forma de vida senciente é considerada humana. Esta escolha dos autores merece destaque porque traduz uma tentativa – além de criticar – de igualar todas as pessoas enquanto cidadãos, enquanto indivíduos, enquanto vidas; o que vai ao encontro da teoria que não estamos sozinhos no universo.

Descender 2

Embora a história explore a diversidade cultural interplanetária que outras construções célebres como Star Wars e Jornadas nas Estrelas já fizeram, Descender tem algo de único, que é justamente a investigação sobre o aperfeiçoamento da inteligência artificial.

O público já viu que as IAs podem ser o novo “monstro” da era tecnológica, justamente pelo fato de evoluir, aprender como os seres humanos fazem. Esta mesma temática pode se encarada não apenas como visão etnocêntrica, mas como aprimoramento puro, pelo simples fato de evoluir.

Tim-21 se torna tão importante não apenas para trama (ou seja, não apenas por conter dentro de sua matriz a resposta para construção dos robozões), mas também para enriquecer a discussão sobre as IAs. Elas podem evoluir a tal ponto de começarem a desenvolver sonhos?

Sonho, algo misterioso encarado como particularidade de seres animais, principalmente humana, pode resultar de uma mente sintética fabricada pelo ser humano? Que tipo de sonhos uma máquina teria?

Descender 1

É interessante abarcar essa teoria, pois são os sonhos que dão sentido à existência humana, empregando-na com um propósito que vai conduzi-la e identificá-la até a hora da morte. O que poderia ser o motivo de existir para um robô?

Com essas questões, os autores nos convidam a nos colocarmos no lugar do protagonista e, ao fazer isso, observar que somos nada mais nada menos que máquinas executando operações que um grande cérebro sintético – e fictício – criado por nós nos obriga. E ao mesmo tempo que fazemos isso, vamos deixando nossos sonhos de lado.

Descender faz jus ao Prêmio Eisner não apenas por propor essas discussões cada vez mais urgentes, mas também por trazer inovações artísticas em traços mais esboçados e cores suavizadas. Sua qualidade visual é de dar inveja a muito ilustrador.

Descender tem os direitos para audiovisual comprados pela Sony Pictures. Será que teremos um filme nos próximos anos?

Total
0
Shares
Previous Article
opm banner

One Punch Man: A Hero Nobody Knows - Trailer de abertura

Next Article

Vingadores: Ultimato é eleito o pior filme da década pela revista New York

Related Posts