Capa Cabana do Leitor

Resenha | Deuses Americanos

Deuses antigos conflitam com os novos deuses pela crença da humanidade, aquilo que os materializa e lhes dá poder.

E se lhe dissessem que o ser humano tem o poder de construir realidade? E se lhe dissessem que você usa esse poder sem perceber? Crença, uma palavra pequena, mas que rege a vida de todas as pessoas. Toda a realidade é fruto de um conglomerado de crenças, tanto pautadas em raciocínios científicos quanto em teorias abstratas. Deuses Americanos procura retomar a vocês, leitores, o controle sobre esse poder.

livro

O livro Deuses Americanos (American Gods), de Neil Gaiman, foi lançando pela primeira vez em 2001, tanto nos Reino Unido, país de nascimento do autor, pela Headline, quanto nos Estados Unidos, pela editora Willian Morrow. É vencedor de dois prêmios renomados nos EUA, o Hugo e o Nebula, ambos em 2002 e na categoria Melhor Romance. Já tendo conquistado o Bram Stoker em 2001 (EUA). Ele chegou ao Brasil em outubro de 2016 através da editora Intrínseca em uma edição expandida que é preferida pelo Gaiman. Você pode ler um trecho do livro clicando aqui.

Deuses Americanos foi adaptado para um série da Amazon Prime Vídeo e está disponível na plataforma. A série é mais conhecida com seu equivalente em inglês American Gods. Em 2018, a editora Intrínseca trouxe novamente o romance, mas em formato de novela gráfica, HQ, que conta a história dividida em mais de um fascículo.

capa 644x1024 1

Neil Richard MacKinnon Gaiman nasceu em 10 de novembro de 1960, em Portchester, um subúrbio no sul da Inglaterra. Ele aprendeu a ler com quatro anos e se considera um leitor voraz. Escolheu o jornalismo como profissão não por acaso, mas porque acreditava que formaria networking que o ajudaria em sua carreira profissional posteriormente. Seu início foi realizando entrevistas e escrevendo críticas literárias.

Sua obra mais famosa é Sandman, uma série de HQ sobre a figura antropomórfica do Sonho, Morpheus – uma alusão ao deus grego do sonho, mas apenas em nome. O personagem é único e cheio de peculiaridades complexas. A obra vai ganhar uma adaptação pela Netflix com a participação de Neil Gaiman.

JGL talks Sandman adaptation challenges

Deuses Americanos se inicia com Shadow Moon, protagonista, sendo liberado da cadeia mais cedo porque sua mulher tinha acabado de morrer em um acidente de carro juntamente de seu melhor amigo Robbie. Sem rumo, o ex-presidiário decide voltar para casa, mas na viagem de avião conhece um estranho homem chamado Wednesday. Este se revela conhecedor de seus infortúnios e, por isso, lhe apresenta uma proposta de trabalho como guarda costas, o qual ele, a princípio, recusa.

Quando finalmente aceita, Shadow acompanha Wednesday em algumas cidades norte-americanas e juntos começam recrutar antigos deuses de diferentes mitologias para lutar contra os novos deuses: Mídia, Garoto Técnico, Os Intocáveis e Mr. World e seus agentes. Todos eles estão na terra antropomorficamente porque as pessoas creem neles. Os antigos deuses, de tão fracos que estão — porque não são mais cultuados — vivem como pessoas comuns, que trabalham para se sustentar, enquanto os novos deuses possuem o domínio do mundo, nos empregos de poder – mídia, governo, mercado financeiro, internet.

Enquanto a trama principal é narrada, surgem algumas histórias paralelas e anacrônicas que mostram como os deuses foram parar nos EUA.

American Gods

Deuses Americanos é um livro que apresenta riquíssimas reflexões a respeito da crescente alienação humana de endeusar certos aspectos da modernidade, sem perceber que os construiu e ainda os constrói. Essa metafórica forma de tratar do assunto coloca sob a imagem de deuses certas potências contemporâneas, ao mesmo tempo que os confronta com os deuses antigos, provindos das mitologias de diferentes culturas. Apesar desse enfoque, Gaiman coloca como catalisador desse processo algo muito simples e intrínseco ao homem, seu maior poder: a crença.

Já no início da história, quando Shadow conhece Wednesday no avião, é abordado o processo de se acreditar em algo.

“— Eu perguntei: quem é você?

— Vejamos. Bom, considerando que hoje certamente é meu dia, que tal você me chamar de Wednesday? Senhor Wednesday. Se bem que, com esse tempo lá fora, bem podia ser Thursday, né?

— Qual seu nome de verdade?”

Ao indagar sobre a verdade, Shadow está se perguntando no que acreditar, ao mesmo tempo que é confrontado com elementos para o qual não está dando credibilidade. Mas este trecho tem um sentido de construção de verdade não apenas pela conduta do protagonista, mas também pela de Wednesday, que deixa claro que ele existe na realidade das pessoas há tempos. Para entender isso, porém, é necessário recorrer ao fim do livro, à nota do tradutor, onde se manifesta uma explicação acerca dos dois nomes da semana que é abordado no texto.

“Ao se apresentar a Shadow no avião, ele se anima ao constar que é quarta-feira porque, na língua inglesa, Wednesday significa ‘dia de Woden’, ou ‘dia de Odin’. Daí também o gracejo dele ao comentar o clima de tempestade dizendo que devia ser quinta-feira, ou Thursday, ‘dia de Thor”

Cheio de significados, Deuses Americanos abarca reflexões profundas sobre a conduta das pessoas no dia a dia como o costume de ficar horas diante da televisão idolatrando pessoas que são exatamente como elas; também discussões sobre o uso de armas de fogo (que é muito comum nos EUA); o fetichismo da vida online, metaforicamente abordado pela existência do Garoto Técnico; o incessante desejo por controle (Mr. World e seus capangas); e o dinheiro retratado como uma ilusão.  

gillian anderson as media as david bowie in american gods e1515636924588
Gillian Anderson é Mídia

Gaiman demonstra mais uma vez sua genialidade ao colocar os Intocáveis como as ondas invisíveis do mercado, que levam e molham todos ao redor, mas que não são visíveis a “olho nu”. Porém sua mais brilhante reflexão é quando ele sugere que tudo isso só é possível, tudo que existe e se agarrou ao real, porque proveio do exercício do homem em acreditar que o que se apresentou diante dele é, de fato, verdadeiro.

“Uma lança simboliza uma lança, e, neste mundo infeliz, o símbolo é a coisa em si”

Este poder é o tempo inteiro retratado nas páginas com o aparecimento dos deuses, que somente estão em carne e osso, ou seja, materializados, pelo poder da crença humana. O interessante dessa abordagem é que exprime o sentido de que o ser humano é capaz de construir qualquer coisa com sua crença, até mesmo realidade, portanto o entendimento do que é real hoje é repensado e ganha uma conotação de construção, algo moldado para ser assim. O livro traz um capítulo extra (que foi excluído de outras edições) no qual Shadow se encontra com Jesus e este lhe explica o que é ser deus, ou seja, como o poder da crença o materializa como um.

“— Já pensou no que significa ser um deus? — perguntou o homem. Ele tinha barba e usava boné — Significa abrir mão de sua existência mortal e se transformar em meme. Algo que vive para sempre na mente das pessoas, como a melodia de uma cantiga de ninar. Significa que todo mundo vai poder recriá-lo na própria cabeça. Você praticamente perde sua identidade. Em vez disso torna-se mil aspectos do que as pessoas precisam que você seja. E todo mundo quer algo diferente. Nada é fixo, nada é estável”

A partir dessa reflexão é possível ir mais além e chegar ao cerne da discussão, observando que as pessoas que acreditam nessas histórias e as encaram como realidade foram as mesmas que as criaram, portanto se entende que o ser humano consegue criar realidade a partir dos sentidos e da própria crença.

Quando ele acredita em algo, este algo torna-se real para ele, mas se cada pessoa compartilha dessa crença, cria-se uma rede em que todos estão a encarar este “algo” como verdadeiro, e ele se torna real no mundo. Portanto, a realidade nada mais é do que a materialização daquilo em que se acredita. O problema é que, exercendo o poder da crença desde seu surgimento, o ser humano é capaz de acreditar em qualquer coisa.

ricky american gods
Shadow

É neste lugar que mora a observação da manipulação. Se uma pessoa nota este poder, como Wednesday, por exemplo, ela pode conduzir os acontecimentos para que a realidade tome forma da maneira que lhe apraz. Então se torna discutível a verdade inserida neste mundo real construído. E assim se chega na realidade que se vê hoje: poucas pessoas conduzindo a vida de muitos. As pessoas viram apenas gado, produtores de riquezas para estes “poucos”, uma vez que é pelo dinheiro, que elas se relacionam.

Enquanto isso, a vida é ignorada, o mundo enquanto espaço vivo também o é, e as pessoas permanecem a sustentar a fantasia de suas “vidas” cotidianas acreditando que estão vivendo, mas sem vivê-las de fato. Fantasia que beneficia e mantém os que detêm o poder, este construído pela confluência da crença de todos. Que é exatamente o objetivo do antagonista quando maquina uma guerra entre os velhos e novos deuses.

Mas a Shadow, depois que ele se sacrifica e vai para uma experiência pós-morte, é dado o poder da escolha em que mundo viver. “Que caminho você deseja seguir: os das verdades difíceis ou das belas mentiras?” Essa escolha não é apresentada apenas a ele, mas a todas as pessoas, pois quando Gaiman destina a pergunta ao personagem principal, está enviado a todos os leitores; lembrando que todos têm o poder da escolha. Shadow responde que prefere o caminho das “verdades”, pois já foi “longe demais para ter apenas mais mentiras”.

AmericanGods 1
Cartaz da série Deuses Americanos pela Amazon Prime Vídeo

Ao fim de seu percurso pela dimensão que visita ao estar morto, Anúbis pesa seu coração em uma balança para ser confrontado com o peso de uma pena. O deus lhe diz que se a os dois se equilibrarem, ele pode escolher pra onde ir.

“Quero descansar. (…) É isso que eu quero. Não quero nada. Nem céu, nem inferno, nada. Só quero que acabe”

Cansado de “lutar batalhas que os outros escolheram”, Shadow manifesta, depois de compreender em sua jornada, o que é ser um deus, a sina do ser humano.

 “Acho que prefiro ser humano a ser um deus. A gente não precisa que ninguém acredite que existimos. A gente existe de qualquer jeito. É o que a gente faz”

Uma sincera resposta ante um mundo todo construído pela crença, onde não se sabe diferenciar o falso do verdadeiro.

Deuses Americanos é um compendium sobre a crença, uma bíblia para aqueles que querem ter o poder de decidir o que escolher, decidir o que vai ser real em seu mundo.

Total
1
Shares
Previous Article
e3a1458d 3df1 4ca0 9566 436e87acc67b 4527 000004a22a5dc55d

Amber Heard pode ser presa por supostamente fingir ferimentos para incriminar Johnny Depp

Next Article
img 1309

Crunchyroll anuncia mais quatro lançamentos para a temporada de primavera/2020

Related Posts