manue0264 403528 e1553705303845

Rodrigo Santoro comenta sua atuação em “O tradutor”

O ator esteve no Brasil para divulgar o longa e comentou durante a coletiva de imprensa como o filme impactou sua vida.

Não é segredo para ninguém que Rodrigo Santoro têm uma grande carreira nacional e internacional. Ele está sempre buscando conciliar sua agenda e inúmeras produções e essa semana foi a vez de aterrizar no Brasil para divulgar seu novo trabalho, o longa “O tradutor”.

Um dos prestígios desse universo ampliado de Santoro é poder ver a adaptação, potencial e registros de sua excepcional carreira como ator. Seu brilhantismo e diferencial não está somente nas telonas de cinema e séries de Tv, mas também em campanhas de divulgação como sua participação no Banco Bradesco em “Seu caminho em Premier”.

Desta vez o ator está no Brasil divulgando um dos seus mais recentes trabalhos, o filme “o tradutor” que inclusive já publicamos a critica aqui no site (confere aqui).

Na trama, Santoro interpreta Malin, um professor de literatura russa que tem sua vida trasnformada pela tragédia da explosão de Chernobil. O filme é contato pelos cineatras Sebastián e Rodrigo Barriuso, uma história real baseada na vida do pai deles.

sddefault

Na coletiva de imprensa, cheios de carisma e serenidade, Santoro e o diretor Rodrigo Barriuso, relatam seus pontos com relação ao filme. Vejam tudo que rolou a seguir:

Rodrigo Barriuso (Cineasta e um dos filhos de Malin) comenta sobre a reação e emoção de seu pai com o roteiro:

“ A primeira vez que ele viu foi muito interessante para mim e Sebastián, porque ele reagiu como um verdadeiro crítico, como um professor de literatura. Entretanto, também penso que foi um mecanismo de defesa, ele estava observando sua própria história e vendo como seus filhos à estavam escrevendo. E acredito que ele se emociona muito”

WhatsApp Image 2019 03 23 at 02.35.09

Santoro, fala sobre a importância da história, os motivos que o levaram à aceitar fazer o filme e seu envolvimento e aprendizado com da língua Russa:

“O que me incentivou a fazer o filme, além do meu encontro com os diretores, foi a própria históia. A importância da história, os temas que são discutidos… temas delicados, extremamente humanos e importantes de serem debatidos. Eu fiquei com aquela ideia, mais ou menos, uma semana na cabeça e então sucumbi.”

“Minha primeira interação com a língua começou com o google: Como aprender russo em quatro semanas? E a resposta foi que russo era uma das três línguas mais difíceis de falar.

O que eu tive que fazer depois de aceitar o desafio foi estudar o roteiro, separando as cenas em espanhol e russo. As cenas em russo, tive que estudar e memorizar as minhas falas e as do outro, para depois internalizar. Foi um trabalho muito grande. Também tive uma professora que me ajudou bastante no caminho. O russo é uma língua que não tem base, não existe referência.

E embora tenha tido grande admiração pelo alfabeto russo, ele parecia letras alienígenas. O que eu fiz foi um mata fonético, e no meio dessa trajetória acabei descobrindo que a entoação de russo é semelhante com a sonoridade do português, embora essa seja a única semelhança “

O filme tem muitas cenas com relação a paternidade, a figura concreta de um pai, presente em sua corporalidade e afetividade, Santoro relata como foi lidar com essa situação, já que, na época das gravações do filme ele ainda não era pai:

” Eu estava há cinco meses de me tornar pai, então foi um paralelo muito interesse porque esse personagem tem que lidar com a paternidade do começo ao fim da história. Malin é um homem q tem muita dificuldade de lidar com a vida particular da mulher e do próprio filho.

Ele está inserido no seu próprio mundo e aos poucos tudo acontece e ele é convocado a trabalhar no hospital, juntos com as crianças vítimas do acidente.  Esse personagem está o tempo todo se relacionando com paternidade e eu estava nesse momento, pensando sobre paternidade. Hoje em dia eu sou pai, mas na época ainda não era. “

WhatsApp Image 2019 03 23 at 02.36.14


O ator já havia tido algumas amostras sobre a cultura cubana, pois já visitou o país em outras ocasiões e menciona como foi gratificante esse aprofundamento no conhecimento social e cultural do país, com um maior conhecimento nas músicas e contextos e como ele é grato por isso.

E em todo momento Rodrigo Santoro enfatiza a importância de todos assistirem e compreenderem os fatores que envolvem esse fato histórico que atingiu o mundo. Ecompreender sua profundidade, além de mostrar como foi um caso profissonalmente desafiador para ele como protagonista, tendo a responsabilidade não pelo público, mas pela história dessa família.



Total
0
Shares
Previous Article
dororo 09

Dororo | Aquele remake que dá gosto de ver

Next Article
4680606

Crítica - Suspíria

Related Posts